Laje concluida

Um sumário dos primeiros dois meses de obra e como as fundações da Casa dos Catitos foram executadas.

Author photo

Dono de Obra

Toda a casa começa pela base. Neste post quero resumir o que foram os primeiros dois meses de obra e falar um pouco sobre o sistema construtivo escolhido para executar a laje.

Uma laje é uma estrutura em betão armado utilizada como base para o apoio de toda a estrutura do edifício e deve ser definida no projeto de estabilidade.

Falando do ponto de vista sustentável, existem sistemas que o são mais do que este que usa bastante betão e bastante aço, mas uma vez que vamos utilizar um sistema construtivo em alvenaria para as paredes optamos pela execução de uma fundação que não venha a desenvolver patologias desnecessárias a médio e longo prazo.

Para um leigo na arte de construir, o entendimento que tenho é que, em Portugal, são utilizados dois tipos de fundação neste tipo de construção: o vazio sanitário (vulgo caixa de ar) e o ensoleiramento geral.

Embora o vazio sanitário tenha estado em cima da mesa, preferiu-se executar um ensoleiramento geral para evitar a geração de condensação e humidade normalmente causadas por uma má ventilação da caixa de ar (veja aqui um exemplo). Outra das razões foi que caso fosse executada essa opção a laje de um dos lados iria ficar alta demais por causa do “pequeno” desnível do terreno... e a ideia é termos uma casa térrea.

 


A tábua na horizontal marca a altura (~1.5m) em que iria ficar a laje do lado nascente do terreno usando a técnica do vazio sanitário.


De forma a evitar isso e para incrementar um pouco o isolamento térmico no chão optou-se por um ensoleiramento geral. Mas atenção, esta técnica requer mais betão, mais aço e mais mão de obra: é mais caro. Neste caso foi 40% mais caro que o vazio sanitário.

A execução prolongou-se por dois meses e consistiu em:

  1. Movimento de terras para as fundações
  2. Montagem de tubo drenante na base da laje e depois no perímetro.
  3. Cofragem de sapatas e pontos de ligação
  4. Colocação de betão de limpeza
  5. Colocação de tela drenante na base das armaduras de aço
  6. Colocação das armaduras de aço das sapatas e pilares
  7. Betonagem das sapatas
  8. Descofragem
  9. Colocação de manta asfáltica
  10. Colocação de tela drenante no perímetro
  11. Preenchimento dos espaços entre sapatas com terra compactada
  12. Colocação de camada de brita por cima da terra compactada
  13. Colocação de tela drenante por cima da brita
  14. Colocação de armaduras de aço na horizontal
  15. Cofragem
  16. Colocação de tubos de ligação para instalações técnicas (eletricidade, comunicações, saneamento, água)
  17. Betonagem da laje
  18. Descofragem


Este é o resultado final:


Na altura de término da laje, o governo Português iniciou o estado de emergência devido ao COVID-19, ficamos todos em casa e a laje teve tempo de curar como mandam os manuais.

Incombi-me a mim mesmo de calcular as emissões de CO2 geradas para a execução desta laje, é um exercício que espero resolver até ao final da obra e a ideia é plantar um número de árvores que permitam zerar a dívida para o ambiente… sei que vão ser muitas árvores só de olhar para as quantidades de material utilizado.

A próxima etapa será colocar as paredes exteriores do piso zero em pé, irei falar disso daqui a uns tempos, até lá ficam algumas imagens da execução da laje.

 

Tem mais uns minutos?

Apoie este Projeto

Produtos sustentáveis que promovam o conforto, a eficiência energética e se enquadrem na Casa dos Catitos podem ser divulgados neste site através do ponto de vista de um cliente real.

Saiba mais